Seis dicas infalíveis para manter uma boa alimentação

De nada adianta defendermos uma alimentação consciente e um sistema alimentar mais sustentável se não oferecermos alternativas concretas para as pessoas mudarem seus hábitos alimentares. Mudar hábitos não é uma tarefa fácil. Por isso, separamos 6 dicas infalíveis para você que deseja manter uma alimentação saudável e não sabe por onde começar!
  1. O que os olhos não veem, o coração sente.

    É curioso como as pessoas, de um modo geral, se preocupem em comprar alimentos com boa aparência quando vão à feira ou ao supermercado, fiquem atentas à questão da higiene e do frescor da comida quando vão ao restaurante e tomem certos cuidados no preparo de suas próprias refeições dentro de casa, onde tudo é feito em pequena escala. Mas é só ver um alimento embalado em papel colorido e brilhante na prateleira de algum lugar que toda essa preocupação se desmancha no ar! Ninguém sabe ao certo quem produziu esses alimentos, em que condições, a qualidade dos ingredientes que foram utilizados… mas se tratando de alimentos processados e ultra processados, nada disso importa, não é mesmo?! Então da próxima vez que você for consumir um alimento desse tipo, procure se informar sobre como ele foi feito antes de colocar para dentro do seu corpo!

  2. Existem alimentos industrializados de qualidade. Saiba identificá-los!

    A sua vida é muito corrida e você simplesmente não consegue abrir mão dos processados e ultra processados? Pois saiba que até entre esses alimentos existem aqueles de pior qualidade e os de melhor qualidade. Para saber qual é de melhor qualidade, veja a lista dos ingredientes do produto. Quanto mais ingredientes, pior é sua qualidade. Em geral, os de maior qualidade também costumam ser mais caros. Então se você quer economizar, uma dica é diminuir o consumo desses alimentos. Simples assim!

  3. Saber cozinhar ajuda a entender como os alimentos são preparados.

    É difícil avaliarmos o quanto um alimento processado ou ultra processado faz mal para nossa saúde quando não temos a mínima noção de como os alimentos são preparados de modo geral. Então se você ainda não sabe, aprenda a cozinhar! Ninguém precisa dominar técnicas culinárias, nem mesmo ser o melhor cozinheiro para preparar molhos a base de tomates e ervas frescas, maioneses caseiras, bolachinhas, geleias, pães ou mesmo um simples bolo, por exemplo! Acredite: esse saber vale ouro e faz com que você pense duas vezes antes de comprar estes alimentos prontos no supermercado.

  4. Lanchinhos industrializados nunca mais!

    O que você come quando bate aquela fome no meio da tarde? Os nutricionistas costumam falar que o ideal é optar pelas frutas, você já deve ter escutado isso! Mas nem sempre estamos com apetite para esses alimentos, não é mesmo? Nessas horas, avalie suas opções e escolha aquela que pode ser bastante saborosa, mas sem fazer mal para o corpo e ainda suprir a necessidade de alegrar a alma. E claro, fuja dos alimentos industrializados! O que dá para comer? Não sei, vai depender do que você gosta, ou do que você tem à mão! Mas comece considerando os alimentos secos e pouco processados como frutas secas, castanhas e amendoins; torradas, patês, geleias e conservas caseiras; bolinhos – doces ou salgados – assados; itens de padaria que não contenham embutidos (como presunto, peito de peru ou salame, por exemplo) e que sejam fabricados no dia ou com curto prazo de validade; e porque não uma vitamina ou uma boa e fresca salada de frutas?! Opções não faltam! Basta ampliar os horizontes e sair do velho condicionamento alimentar!

  5. O problema do trigo não é o glúten, é a azia no fim do dia!

    Não faz tanto tempo assim o glúten e a lactose tornaram-se alvo de disputas no reino da alimentação. Não sei se é consenso, mas parece que entre os consumidores que não possuem qualquer problema de saúde que poderia gerar uma restrição alimentar, como alergias e intolerâncias, e que resolveram abolir o glúten e a lactose da alimentação, há sempre uma exaltação de como essa mudança de hábitos trouxe benefícios para a saúde e para o corpo. A questão é: o problema do glúten e da lactose está apenas nas suas proteínas ou no uso exagerado ou mesmo inapropriado que tem sido feito desses alimentos nos últimos setenta anos? Ninguém precisa ter um problema de saúde sério, por exemplo, para perceber que trigo e leite ou derivados em excesso geram mal-estar, pesam no estômago, dão azia, etc. Então, independente dessas disputas, consuma esses alimentos com bastante parcimônia!

  6. Comer sem culpa, a chave para a saúde e bem estar.

    Parece que hoje em dia é difícil ter uma relação harmoniosa com a comida. Somos constantemente bombardeados com informações sobre alimentação, desde notícias sobre o que faz bem ou o que faz mal para a saúde, passando pelos alimentos que emagrecem ou que engordam, até notícias sobre problemas na produção, contaminações, etc. Temos ainda que conviver com ideologias e tabus alimentares, restrições e privações de todos os tipos em nome da alimentação mais adequada. Quer uma dica? Em termos de alimentação faça aquilo que está ao seu alcance! Importe-se com o que realmente é necessário no seu caso específico, sempre dando um passo de cada vez! Por exemplo: acrescente, aos poucos, alimentos na sua dieta que poderão te fazer bem, e tire os que estão fazendo mal, mas sem sofrimento! E lembre-se: a alimentação, assim como a vida, é dinâmica! Ela não vai ser sempre a mesma… ela muda, se adapta, enfim, está o tempo todo em transformação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.