Consciência Alimentar

Responsabilidades éticas e preocupações ambientais tem transformado cada vez mais a alimentação, gerando certa ansiedade. Por isso, separamos sete dicas que vão ajudar a entender como o sistema alimentar funciona e porque a consciência alimentar não deveria tirar o prazer de comer.

1. O sistema alimentar é complexo

A escolha individual dos alimentos tem sido apontada como o principal fator que pode transformar o sistema alimentar. Mas é impossível resolver todos os problemas do sistema alimentar na hora de escolher os alimentos. Esses problemas só serão resolvidos através de políticas locais, nacionais e internacionais. Não sobrecarregue sua alimentação com responsabilidades que ultrapassam o seu poder de consumo!

2. A escolha dos alimentos

Por outro lado, fazer escolhas conscientes sobre os alimentos é o primeiro passo para garantir o prazer de comer. Uma escolha consciente não diz respeito apenas aos princípios ambientais, éticos ou científicos. Trata-se de saber porque você vai comer determinado alimento e como este alimento poderá te satisfazer. Se vai comer porque está com fome, ou para se distrair, se confortar, provar um novo sabor, por uma gentileza (para não ofender quem te ofereceu o alimento) e por aí vai… Ter clareza sobre a forma como você se alimenta pode levar a uma relação mais harmoniosa com o alimento.

3. Alimentação reflexiva

Vivemos a era das catástrofes alimentares. A criação de gado contribui com o aquecimento global e particularmente no Brasil, com a devastação da Amazônia; as sementes transgênicas contaminam o ambiente e destroem a agrobiodiversidade; os peixes, frutos do mar e até o sal marinho contêm micropartículas de plástico; os alimentos convencionais estão envenenados com agrotóxicos; os alimentos processados e ultra processados causam doenças crônicas não transmissíveis. Alimentar-se hoje em dia tornou-se um desafio diário onde tentamos equacionar os riscos da alimentação pela saciedade da fome. O alimento, no entanto, não serve apenas para nutrir o corpo e neste ponto acabamos cometendo excessos que poderiam ser evitados! Por isso é necessário refletir constantemente sobre nossas reais necessidades. Adotar uma alimentação com foco nos vegetais, por exemplo, ajuda a desconstruir hábitos alimentares.

4. A alimentação é diversa

Não existe um modelo alimentar único no mundo. A alimentação é expressão da cultura, do ambiente em que se vive, do tipo de vida que se leva. Ou seja, nenhum modelo alimentar deveria ser tomado como padrão a ser seguido. O novo Guia Alimentar para a População Brasileira (2a. Edição, 2014) trata justamente dessas questões e é uma excelente fonte de inspiração alimentar. O guia mostra que antes de se preocupar com os nutrientes, por exemplo, é preciso comer em ambientes calmos e acolhedores, dar preferência à comida caseira ou feita em pequena escala, consumir alimentos frescos e locais, evitar alimentos processados e ultra processados, consumir mais vegetais e menos carnes e embutidos, e se possível, consumir alimentos orgânicos e livre de transgênicos.

5. Nos alimentamos de significados

Quem define o que é ou não alimento são as pessoas. Comemos mais pelos significados que são atribuídos às plantas, animais e outras formas que se apresentam como comestíveis, do que propriamente pelo que eles poderiam gerar de energia no nosso corpo. Esses significados são construídos de diversas formas, e uma vez incorporados pela cultura, tornam-se referenciais na alimentação. Existem diversos alimentos ultra processados que fazem mal para nosso organismo, por exemplo, mas foram associados à noção de saúde pelo marketing, de tal forma, que tornaram-se parte da alimentação considerada saudável. Perceber como esses significados são construídos, portanto, ajuda a entender porque escolhemos certos alimentos e rejeitamos outros. Afinal, há alimentos que estão associados à alegria, à masculinidade, à infância, à pressa, à pobreza… uma infinidade de significados!

6. A vitalidade do alimento está nas combinações

A alimentação ocupa um papel central na vida das pessoas. E a não ser nas situações onde há fome, as pessoas costumam comer o tempo todo, todos os dias. Ou seja, a alimentação não é feita de uma única refeição, nem em um dia apenas. A alimentação é um processo contínuo e repetitivo. E é na repetição que nos condicionamos a nos alimentar de determinada maneira. Por isso é importante atentar para o que comemos ao longo dos dias. O alimento se expressa na sua potência máxima quando está em relação aos outros. São as combinações que fazemos cotidianamente que garantem a vitalidade dos alimentos.

7. Alimentação é estilo de vida

A forma como nos alimentamos diz muito sobre nossas crenças, tabus, hábitos, valores. Sobre o lugar onde moramos, as pessoas com quem convivemos, o saber dos nossos entes queridos. A alimentação também reflete nosso estilo de vida. Tem a ver com a relação que estabelecemos com o tempo, o cuidado, o trabalho e a natureza. Trocar o supermercado pela feira, participar de grupos que sustentam a agricultura, cozinhar, preparar a marmita em casa para levar ao trabalho, carregar frutas na bolsa, plantar o próprio alimento, comer pouco, fazer piquenique com alimentos frescos e leves… essas práticas podem ser muito prazerosas e contribuem para um sistema alimentar mais sustentável e harmonioso!

Comentários (6):

  1. Avatar

    juliana

    8 de março de 2018 em 15:37

    oi gente adorei o site de vocês, conteúdo muito bem escrito.Parabéns pelo trabalho, já estou seguindo suas dicas. Beijinhos da Ju

    Responder
    • Maíra Bueno

      Maíra Bueno

      9 de março de 2018 em 13:02

      Oi Juliana, obrigada! Que bom saber disso! Sempre publicamos as atualizações do site na página do face, você já conhece? Esperamos você por lá também! @projetoalimento

      Responder
  2. Avatar

    felipe

    9 de março de 2018 em 15:53

    Muito interessante esse site. Parabéns pelo conteúdo
    Um abraço

    Responder
    • Maíra Bueno

      Maíra Bueno

      12 de março de 2018 em 01:17

      Oi Felipe, obrigada! É sempre bom ter esse tipo de retorno! Publicamos as atualizações do site na página do Facebook: @projetoalimento. Você já conhece? Esperamos você por lá também! Abraços.

      Responder
  3. Avatar

    Nilma Medeiros

    2 de agosto de 2019 em 23:35

    Conhecimento é tudo! amei ! ótimo p agregar e interagir

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.